Ultimas Notícias

Peixes mortos no Córrego dos Ranchos desperta atenção de morador

Além dos peixes, flagramos restos de animais jogados e urubus comendo as vísceras

Recebemos nessa última segunda-feira, 27, imagens enviadas por um morador de Mariápolis, indignado com a grande quantidade de peixes transbordando no Córrego dos Ranchos.

Ainda segundo o morador que preferiu não se identificar, o fato leva a crer um possível crime ambiental. Nossa reportagem esteve no local próximo a ponte que liga a cidade até o distrito Mourão, porém naquele momento notamos a água totalmente escura, com mal cheiro, restos de animais (bovino) e urubus comendo as vísceras do animal.

Em contato com algumas pessoas, comentaram que o caso pode ter sido ocasionado pelo despejo de agrotóxicos, produtos químicos de algumas empresas, entre outros produtos de forma dissimulada sem que apareça.

“Fiquei com dó em observar tilápias e cascudos, alguns mortos e outros ainda estavam respirando com a cabeça pra fora da água”, relatou. “Sem dúvidas é uma situação que nos chama a atenção e jamais poderia estar acontecendo”, finalizou.

Lembrando que o córrego tem sua nascente na cidade de Adamantina e desagua sobre o Rio do Peixe.

Peixes mortos boiam nas águas escuras, possivelmente contaminada no Córrego dos Ranchos. Foto: Reprodução.
Urubu come vísceras de animal sobre às águas do córrego
Peixes mortos boiam nas águas escuras, possivelmente contaminada no Córrego dos Ranchos. Foto: Reprodução.
Água escura e com odor no Córrego dos Ranchos
Resto de animais foram jogados no córrego
Peixes mortos boiam nas águas escuras, possivelmente contaminada no Córrego dos Ranchos. Foto: Reprodução.
Resto de animais foram jogados no córrego; observamos as águas com coloração escura e mal cheiro

About admin

Verifique também

Mariápolis deve ter frio intenso e queda de mais de 10°

A partir da próxima semana, uma intensa massa de ar frio deve atingir grande parte …

One comment

  1. Marcelo Machado de Carvalho

    Esse evento nos deixa com sentimento de impunidade e impotência diante desse descaso.

    Temos a CETESB e cadê a instituição nesse momento?
    Temos a Polícia Ambiental.

    Precisamos da atuação efetiva dessas instituições.

    Fica o Apelo aos órgãos competentes para que colham amostras e penalize os responsáveis, seja eles quais e quem forem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.