domingo , 16 dezembro 2018
Home / Notícias / UniFAI: estudantes de medicina fazem manifestação e cobram clareza sobre internato

UniFAI: estudantes de medicina fazem manifestação e cobram clareza sobre internato

Protesto dos estudantes de medicina na manhã desta segunda-feira, defronte ao Paço Municipal (Foto: Maikon Moraes/Siga Mais).
Protesto dos estudantes de medicina na manhã desta segunda-feira, defronte ao Paço Municipal (Foto: Maikon Moraes/Siga Mais).
Protesto dos estudantes de medicina na manhã desta segunda-feira, defronte ao Paço Municipal (Foto: Maikon Moraes/Siga Mais).

Um grupo de estudantes de medicina do Centro Universitário de Adamantina (UniFAI) realizou na manhã desta segunda-feira (19) uma manifestação defronte ao Paço Municipal e cobrou das autoridades e da reitoria da UniFAI mais clareza e definições quanto ao internato hospitalar, o que passa a compor a grade do próximo ano.
Em sua maioria vestindo roupas pretas, os estudantes empunharam cartazes e em coro cobraram a atenção das autoridades e da população a esse tema. Pais de alunos também participaram do ato público.
Em paralelo às manifestações, um grupo de estudantes representantes das turmas foi recebido na Câmara Municipal, por volta das 11h, em uma reunião que contou com a presença de todos os vereadores, prefeito Márcio Cardim e o reitor da UniFAI, Prof. Dr. Paulo Sérgio da Silva.

Entenda a reclamação

A primeira turma de medicina inicia o internato no meio do ano que vem. Os estudantes defendem a proposta já propagada no próprio curso, pela coordenação, de que o internato ocorra em Araçatuba, em razão da demanda hospitalar ser suficiente para atender o número de estudantes, bem como as especialidades médicas que precisam ser envolvidas nessa fase prática do curso.
Há inclusive projeto estruturado nesse sentido, elaborado pela UniFAI, que permite atender essa dinâmica, com o internato em Araçatuba, para 66 alunos da primeira turma, com os estudos de impacto financeiro mensurados. A UniFAI entende que a demanda precisa de autorização legislativa e sua tramitação junto à Câmara Municipal depende da apresentação formal, do projeto de lei, pelo Poder Executivo.
Porém, a ideia encontrou resistência, sobretudo do prefeito Márcio Cardim, a quem compete enviar à Câmara os projetos de lei de interesse do Poder Executivo e da autarquia municipal UniFAI. O prefeito se põe resistente à realização do internato da primeira turma em Araçatuba, no total de 66 alunos.
O prefeito defende que haja absorção dessa demanda pela Santa Casa de Adamantina, bem como pela rede de hospitais administrada pelos freis da Associação e Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus, que administra o hospital local. O uso dessa rede, na visão do prefeito, dispensaria o internato em Araçatuba. As unidades hospitalares administradas pelos religiosos mais próximas de Adamantina estão em Presidente Prudente, Lins e Ilha Solteira, além de outras diversas unidades pelo país, que poderiam receber os estudantes.

Reunião entre representantes dos estudantes e autoridades municipais, realizada na Câmara Municipal (Foto: Maikon Moraes/Siga Mais).
Reunião entre representantes dos estudantes e autoridades municipais, realizada na Câmara Municipal (Foto: Maikon Moraes/Siga Mais).

Limitação local

O que tem se apresentado como empecilho para absorver totalmente em Adamantina a demanda por internato hospitalar é a limitação da estrutura da Santa Casa local. O hospital demanda por investimentos e melhorias – muitos dos quais com convênios em andamento e obras recém licitadas, que envolvem reformas das alas masculina e feminina e centro cirúrgico – e outros pela ação direta da própria UnIFAI, com destaque para a ampliação da UTI.
Todavia, essas condições estruturais que envolvem meios físicos, materiais, equipamentos e recursos humanos – mesmo com algumas frentes prestes a iniciarem obras – podem não estejam totalmente aptas para, até o meio do ano, absorver os estudantes da primeira turma que entram na fase de internato.
Nesse cenário, a alternativa defendida sobretudo para a primeira turma e talvez até para a segunda turma, é realiza-lo fora da cidade. E em paralelo, seria necessário atuar para criar as condições estruturais locais que possam suportar o internato total ou grande parte dele em Adamantina.
Em todo esse cenário, a viabilização dos investimentos na Santa Casa e o projeto de curto, médio e longo prazos para o hospital consideram os aportes financeiros da UniFAI, seja por meio dos repasses mensais para atividades de estágio dos diversos cursos –realizados de longa data– ou por novas demandas que possam impactar no faturamento do hospital, como as receitas que poderiam ser acrescidas, à Santa Casa, pela oferta de estrutura para o internato.

Encaminhamentos

Ao final da reunião, o prefeito Márcio Cardim reafirmou que não vai enviar o projeto de lei à Câmara com a proposta que contempla integralmente o internato da primeira turma de medicina da UniFAI em Araçatuba. Ele defende a proposta de envolver a Santa Casa local e a rede formada pelos hospitais administrados pelos religiosos da Associação e Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus. O prefeito não informou prazos para apresentar o projeto. A expectativa é que seja submetido aos próprios estudantes, vereadores e demais interessados, antes de ser formalmente apresentado ao poder legislativo para votação. (sigamais.com)

Protesto dos estudantes de medicina na manhã desta segunda-feira, defronte ao Paço Municipal (Foto: Maikon Moraes/Siga Mais).
Protesto dos estudantes de medicina na manhã desta segunda-feira, defronte ao Paço Municipal (Foto: Maikon Moraes/Siga Mais).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *