domingo , 26 maio 2019
Home / Notícias / Cidade / Paróquia Imaculada Conceição de Mariápolis completa 61 anos

Paróquia Imaculada Conceição de Mariápolis completa 61 anos

Renda do jantar será em prol à Paróquia Imaculada Conceição de Mariápolis. Foto: Arquivo.
Paróquia Imaculada comemorou 61 anos
Paróquia Imaculada comemorou 61 anos

 

Na quinta-feira, 8, a Paróquia Imaculada Conceição de Mariápolis completou os 61 anos de existência no município. Nesta data, ocorreu às 18h30, Procissão, Missa Solene e Coroação de Nossa Senhora Imaculada Conceição.

Fazendo parte dos festejos, no sábado, 3, foi realizada a tradicional quermesse, no centro de eventos da Escola Nelson Magnani. Entre os dias 5 e 7, às 19h30, na paróquia, foi celebrado o Tríduo em Louvor à Nossa Senhora da Imaculada Conceição com a presença de padres da região. No dia 11, haverá Curso para Batismo.

No próximo domingo, 11, a partir das 10 horas, acontece o leilão geral, na Praça da Matriz. Dando continuidade, no dia 14, será celebrada missa de Santa Luzia (Bênção dos Olhos), às 19h30.

Já no dia 24, sábado, às 21h30, ocorre a Missa do Galo. No domingo, 25, às 8 horas, será celebrada a Missa de Natal com batizados. No dia 31, sábado, às 21h30, será a missa de Ano Novo.

 

Memória da paróquia

 

Uma homenagem a Maria, esposa do fundador do município, deu origem ao nome da cidade. O pioneiro, conhecido por Bata, já havia fundado outra cidade, no Estado do Mato Grosso do Sul, com o nome de Bata-Iporã. A escolha da padroeira da cidade não foi diferente. Em alusão ao nome da esposa do fundador, Maria, e, principalmente, em homenagem a Nossa Senhora, escolheu-se como padroeira a “Imaculada Conceição”.

Com a emancipação político-administrativa de Mariápolis, várias pessoas da comunidade se empenharam em conseguir a criação de uma paróquia no novo município. O pedido foi feito ao então bispo diocesano de Marília, Dom Hugo Bressane de Araújo. Em 11 de fevereiro de 1955 o bispo atendeu ao desejo dos munícipes e enviou o primeiro padre para a nova paróquia. Para administrar a vida pastoral da comunidade, foi nomeado o padre italiano Alberico Pio Romano, que substituiu os sacerdotes da Paróquia Santo Antonio, de Adamantina, que atendiam os fiéis da então igreja.

Depois da saída do padre Alberico, a paróquia ficou vaga até 1958, quando assumiu os trabalhos pastorais o pe. Manoel Escalada, um espanhol muito querido pela comunidade. Ele foi o responsável pela construção da igreja matriz. Como era artista e devoto mariano, decorou o altar da igreja com um belo alto-relevo da Imaculada.

A paróquia ainda foi atendida pelo pe. Roberto Preuss entre os anos de 1963 e 1965. Nesse último ano, chegou à paróquia o pe. José Kumagawa, de origem nipônica, que teve destaque na comunidade, inclusive em relação às questões políticas. Em sua administração, foram construídas as torres ao lado da igreja e também o salão paroquial.

Depois da saída do pe. José, em 1968, a paróquia passou por mais uma fase sem padre residente. Isso ocorreu até 1970, quando foi nomeado o franciscano capuchinho Frei Mário Moschini. Ele atuou na paróquia até 1974, quando chegou à cidade o atual pároco, o franciscano Frei Dionísio Antonio Marinelli.

Dos mais antigos movimentos que existiram na paróquia, como os Marianos e a Pia União das Filhas de Maria, restaram apenas o Apostolado da Oração e a Associação de São José. Dentre os novos movimentos estão a Renovação Carismática Católica (RCC) e o Encontro de Casais com Cristo (ECC).

Diante da criação do movimento do ECC, o frei Dionísio decidiu publicar um livro de sua autoria. Em “Matrimônio e Divórcio na Bíblia” são tratados temas ligados à família, como infidelidade, incesto, virgindade, castidade no matrimônio, entre outros. O livro é distribuído gratuitamente aos jovens e casais da paróquia. A Pastoral do Dízimo, que também tem destaque na vida da comunidade, foi criada em 1977.

Dentre as principais comemorações da paróquia está a festa da padroeira, realizada em 8 de dezembro. Todos os anos são realizados procissões, missas solenes, terços nas casas e a coroação de Nossa Senhora.

Em 2000, além das comemorações do Jubileu do nascimento de Jesus Cristo, a paróquia festejou os 25 anos de ação pastoral do frei Dionísio à frente da comunidade. No dia 8 de abril do mesmo ano, os fiéis também celebraram os 50 anos de sacerdócio do pároco.

Pelo seu caráter e por tratar-se de uma paróquia pequena, o Frei Dionísio tem assumido funções, mesmo de ordem burocrática ou material, que caberiam aos leigos. A igreja exige ou recomenda essa participação dos leigos nos conselhos, secretaria e outros.

No dia 19 de setembro de 2002, frei Dionísio faleceu. Ele permaneceu durante 28 anos, servindo a comunidade mariapolense que tanto o estimava. Passando por mais uma temporada sem padre no município, as celebrações foram feitas por padres de outras paróquias, inclusive José Orandi, de Adamantina. Em 2 de janeiro de 2003, Domingos de Jesus foi indicado como o novo padre da cidade. Neste ano o atual padre é Jorge Ricardo. (Fonte: Revista do Jubileu – Diocese de Marília)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.